22 de mar de 2011

eu poderia simplesmente estar com você

Nos trilhos. É assim que eu gosto de ver o meu caminho. Por mais obstáculo que possa aparecer, é assim que tem que ser. Não adianta desviar das desgraças, o bom é saber, sempre, driblar e vencer.

Eu canto quando ando no vento. É automático. Ventou, cantei. É assim que eu funciono. Eu sou tão sonhador que consigo me ver em clipes musicais ou finais de filmes tristes sempre que me molho ou me jogo no vento. Com isso, eu me sinto livre. E me sinto grande. E me sinto importante.

A grande sacada mora aí: filmes têm finais felizes. Eu não sei o meu final - e Deus queira que eu nunca descubra, simplesmente o viva. É assim que funciona o trilho. Você anda, você sabe o seu caminho, mas você não sabe o que vem no próximo passo.

De vez em quando, sinto que a caminhada perdeu o rumo. Quero descansar. Sento e me vejo entristecer. Por mim, passam algumas pessoas, alguns momentos, alguns amores. Eles seguem em frente e eu demoro a entender que parado, ali, não vou sair do lugar. Tempo de se mexer.

É essa mexida que me qualifica. E quando eu apronto alguma, eu gosto do jeito que o mundo me mostra que estou errado. É simples. Eu dou meu breve sorriso e saio cantando. E sinto o vento. E sinto a vida.

Mas o mais gostoso de andar, de desafiar, de entristecer e de cantar é sentir o calor de uma mão encostando a minha. É sentir os dedos entrelaçarem. É sentir o sorriso por trás da nuca. É sentir.

Eu poderia simplesmente estar com você, mas sabe-se lá porquê, nossos dedos não se cruzam. É você ali, sozinho, seguindo, e eu aqui, olhando de soslaio, esperando aquele rápido momento em que os dois trilhos se juntam. Exímia junção do coração.

5 comentários:

Jean Karluz disse...

Fala Caio! Rapaz, falar que você escreve bem nem deve ser novidade pra ti, porque você já deve ter ouvido isto de montão. Gosto da sensibilidade dos trechos, da escolha das palavras. É muito bom vir aqui e ler, e por que não comentar, certo? Gostei da ideia dos trilhos e realmente há cada um desses momentos. Detesto me sentir perdido ou triste, mas isto faz parte, rsrs, não? Sigamos sempre em frente, cantando no vento, se vendo em clipes (sou mestre nisso tudo) e quiça... com um belo final feliz.

Abraços

Anônimo disse...

E eu aqui..cada vez mais apaixonado por vc.

Rebecca disse...

ha algum tempo comecei a acompanhar seu blog, seu twitter e ha muito tempo já acompanhava no papelpop, adoro você, adoro o que você escreve porque é tudo muito simples, muito verdadeiro e você consegue passar rapidamente uma conexão das suas palavras com uma coisa simples que poderia ser comigo ou com qualquer outra pessoa, Parabéns por esse texto lindo e por tantos outros, bj

L. disse...

Adoro mistérios.

Adoro deixar a mente das pessoas em exercício.

E estou procurando seu e-mail, compulsivamente.

will disse...

Ah, eu poderia ter escrito esse post para você. Como são as coisas, não?