24 de fev de 2011

goodbye lullaby

Remember When surgiu Avril Lavigne? Eu lembro. Estava lá, brincando de guerrinha de pés com minha irmã, quando a Sarah da MTV anunciou uma novidade: Eivril Lavigne, com Complicated. 'Hey guys, do you wanna crash the mall?', disse uma garota usando gravata. Parei a guerrinha para assistir aquele acordezinho inicial de 'Complicated' que, por anos e anos, eu ia cantar e sorrir. Na formatura da 8ª série, minha avó me deu 'Let Go' e minha mãe me deu o CD do 'The Calling'. Meses depois, Sk8er Boi. Aí começou 'Mulheres Apaixonadas' e a professora que tomava raquetada se apaixonou pelo aluno nadador. 'I'm With You'. Por fim, Losing Grip. Eu estava apaixonado por aquela garota e nem sabia o por quê.

Dois anos depois, já no ensino médio, aquela garota por quem eu era apaixonado me mostrou uma versão acústica muito legal de uma música estranha. Era 'Nobody's Home' no AOL Sessions. Era incrível. Na mesma noite, pela primeira vez, vi o clipe de 'Don't Tell Me' no Disk. Olha, era aquela Avril, agora um pouco mais profunda, menos moleca, cantando outra música chiclete. No mercado, no Extra da Imigrantes, minha avó, a mesma que me deu 'Let Go', me emprestou R$ 24,90, o valor da minha mesada do próximo mês, pra comprar 'Under My Skin'. O que era apenas 'gostar' virou uma paixão sem sentido. Tudo era Avril Lavigne. Entrava no MIRC para baixar apresentações, assistir clipes o tempo inteiro. Passava aspirador na sala cantando todas as músicas de 'Under My Skin'. E veio 'My Happy Ending' e eu atingi meu ápice. Votava todos os dias para Avril ficar em primeira. Fiquei maluco. Acompanhava todos os passos. E 'Nobody's Home' virou single e eu lembro do susto que dei em meu pai às 7h da manhã quando ouvi pela primeira vez na rádio. Por fim, 'He Wasn't' e o 'mãe, tô doente' para poder faltar na escola. Isso porque, um dia antes, de madrugada, li no Bandaids que o clipe havia estreado e era a melhor coisa que a Avril tinha feito. Ninguém tinha gravado. Não existia YouTube. Era esperar alguém botar no MIRC. E veio aquele show, onde eu tenho certeza que Avril fez um coraçãozinho com as mãos respondendo ao meu coração na hora que eu berrei em 'My Happy Ending'.

Acabou a era 'Under My Skin' e eu ganhei uma tatuagem de estrela, aquela de 'Sk8er Boi' e símbolo de 'Let Go' no pulso esquerdo. Igual a Avril. Eis que três anos depois, agora casada, surgiu uma menina gritando 'Hey, hey, you, you, I don't like your Girlfriend'. Não era tão emocionante, mas era dançante. Junto com Avril, eu comecei a dançar loucamente em baladas da vida. E quando tocava Girlfriend, só quem viu sabe: eu pirava. 'When You're Gone' e uma fase difícil da vida. Hot e uma fase sexual da vida. 'The Best Damn Thing' e uma tristeza em imaginar que Avril nunca mais faria sucesso. Ninguém ouviu aquela música, ninguém gostou daquele clipe - inclusive eu.

Mas, 'What The Hell'? Foram quatro anos - sem contar 'Alice' - esperando qualquer coisa. Várias ameaças de novo CD, um 'Darlin' e 'Everybody Hurts' que todos falavam, mas ninguém ouvia. 'What The Hell'?. All my life I've been good, but now... Avril, antes de lançar, confessou: estou lançando essa música para poder lançar o meu quarto CD. É óbvio que é forçado, ela não fez nenhuma performance digna da música até agora. OK. Eu adoro 'What The Hell' com todas as forças. É aquilo que, de vez em sempre, temos que fazer. Apenas algum tempo para brincar.

E ontem, 'Goodbye Lullaby', uma carta em forma de som de despedida para Deryck. Todas as músicas, a tristeza, a vulnerabilidade, a incrível voz, o incrível toque. Cada canção que passa, cada batidinha, cada toque de violão que ela dá. Saber que ela produziu, tocou, cantou, escreveu. Saber que aquilo é mais ela do que nunca. Saber que é perfeito. É voltar com aquele orgulho no peito de dizer 'sim, sou fã de Avril Lavigne mesmo tendo 23 anos de idade'. Foi sentir o corpo arrepiar ao ouvir, finalmente, 'Darlin' e saber que cada verso de cada música encaixava em alguma parte da minha vida, algum sentimento que eu tô vivendo, algo que eu vou viver. 'I Love You'. E não é porque você é bonita e nem porque eu gosto da sua vibe. É por causa de tudo que a gente já passou junto.

Foi ouvir'Goodbye' com carinho pra precisar chorar.
É ouvir Evan cantando em 'Push' e querer gritar esse refrão junto.
É se divertir com 'Smile' e pensar que ela está feliz fazendo tatuagens bêbadas ao lado do Brody.

Acho que eu nunca ouvi algo tão perfeito. Todo mundo pode criticar, eu só espero que ela brigue com sua gravadora pra sempre e lance o que gosta. É isso que eu amo. É nisso que eu piro.

9 comentários:

Jujuqui disse...

ler seu post ao som de avril deu um toque mais dramático à coisa toda! hauahaau!! é sério, estou ouvindo, e adorando!

pra mim avril = caio. não tem como não associar!

Rick disse...

Ainda não ouvi o CD, mas pelo seu texto...to empolgado!

Adoro seus textos.

Anônimo disse...

caio, fico fascinado pelo amor e carinho que você tem por essa "menina". muito bom o texto!!

Kaio Henrique disse...

Nossa caio , (meu chará by the way , meu nome é Kaio *-*) queriia falar que eu acho vc um máximo e que eu amei o seu texto ,parece que você escreveu tudo oque eu queria dizer, mas como eu sou um estudante de Direito eu não tenho o dom da escrita (FAIL HAHA') não sei me expressar ,ainda bem que os fãs da Avril são inteligentes, AHH sou seu fã (:


Kaio Henrique @xkaiiox

Johnnys disse...

Eu li ao som de Push,
me arrepiei todo e me deu vontade de contar minha história de amor com a Aguilera.
Esse amor de fã ninguém entende.
É incrível.

@lucas_pa disse...

Oinnn!!! Goodbye Lullaby ta mto fodaaaa, só tem uma palavra pra defini...PERFEITO!!!
O texto tbm ta mto bom:D me fez lembrar da minha história com a Avril... A primeira vez q ouvi complicated, qndo vi under my skin numa vitrine e entrei correno pra compra e qndo baixei girlfriend e fiquei ouvino ela enquanto não saia o cd. Bons momentos e boas musicas q vao ficar gravados na minha memória foreveeeer!!!!!

Boomerang disse...

mandou ver, grande fã!!

Bee ϟ disse...

que coisa mais linda (ai, que novidade, o caio escrevendo coisa bonita)! Sei como você se sente.

Jean Karluz disse...

Fala Caio! Rapaz, não teve como me conter, vou comentar!!! Sabe, um dia farei um texto assim, mostrando como descobri essa menina chamada Avril Lavigne. O seu foi muito bem escrito, dramático e mostra bem o decorrer do tempo, tanto seu como da carreira de miss Lavigne. Eu também gosto das músicas dela e para este quarto álbum estou me contendo para não ouvir as músicas em qualquer site, mas somente no CD. E por quê? Bem... pelo simples fato de que ela anunciou que foi tudo do coração, e que ela escreveu, cantou e compôs tudo, não quero perder nenhuma nota... por isso aguardo pacientemente a chegada do single por aqui. E bora torcer pra loura continuar com seu trabalho, sempre amadurecendo e inovando a cada CD. Aliás, cada CD dela tem um jeito diferente... e ela também.

Abraços

@umpixel