21 de abr de 2010

um texto do amor

Quando você percebe que o seu amor foi embora? Quando te cobram um texto que fala sobre ele. O amor é presente, é insano, é carente. Quando deixamos de falar sobre esta 'coisa' que ninguém sabe explicar, é um sinal: ele está saindo da sua vida - e não, não é algo que você perceba ou consiga mudar.

Penso no amor como uma parte do meu corpo. É ele que, muitas vezes, me fez levantar da cama, arrumar uma mala, pegar alguns ônibus e me deixar levar por uma longa de viagem até o outro lado da cidade só para dar um beijo na boca de quem ele gosta de se encaixar. Amor é aquela parte do seu corpo que arranca a roupa do corpo em dois minutos quando você está em quatro paredes com quem ele gosta. Amor é aquilo que te deita na cama, te bota no peito de alguém e faz você ouvir a respiração ofegante depois daquelas aventuras que ele gosta de passar. Amor é dormir de conchinha. É acordar pelado e sentir a perna roçar. É abrir o olho direito com cuidado e ver o outro dormindo. É receber uma flor no dia difícil. É se sentir abraçado, mesmo quando se está sozinho.

E se tudo isto continua existindo, por que será que o amor resolve ir embora? Depois de pensar bastante, acho que cheguei em uma resposta - não apliquem à você, ela é pessoal e intransferível: meu amor não some, não me abandona, não me esquece num canto escuro do quarto. Ele só tem vida. E como todos que vivem uma intensamente, ele precisa de um descanso.

Então resolvi cobrá-lo. Amor vagabundo não é o que gosto. Já faz tempo, meu caro, faz tempo que eu e você não conversamos como dois homens crescidos, mas não tão sofridos. Eis que meu amor me responde: crescidos, concordo. Sofridos? Nem tanto? É porque você, caro, você é quem vê, eu sou quem sinto.

E caímos na velha frase clichê.

Pedi desculpas. Ele, como é o meu amor, fez aquele charme típico, arrastou os pés no chão, colocou a mão pra trás e deu um meio sorriso. Mas teve que aceitar. Sem ele, não vivo. Sem mim, ele não existe. Então, juntos de novo, ele resolveu me alertar: cuidado, meu jovem, cuidado quando você for amar. Eu quis saber o por quê. Ele, forte como um touro, disse que ninguém, no mundo inteiro, vai conseguir me consolar.

Me assustei, mas entendi. Meu amor é grande, é forte e é eterno, mas quando ele se machuca, dói. E daí ele precisa ir descansar...

11 comentários:

Thiago Eury disse...

Lindo.

Igor disse...

" Meu amor é grande, é forte e é eterno, mas quando ele se machuca, dói. E daí ele precisa ir descansar..."

Faz muito sentido!!! Um ótimo texto!
E mais uma vez vc escreveu muito bem!!! =)
Parabéns!
abração!

Jey disse...

"cuidado, meu jovem, cuidado quando você for amar. Eu quis saber o por quê. Ele, forte como um touro, disse que ninguém, no mundo inteiro, vai conseguir me consolar."

lindo lindo lindo.

o texto inteiro tá ótimo, bem escrito e o final perfeito.

Everything disse...

WOW.
Impressionado? É pouco para descrever como fiquei diante dessa poesia. Poesia sim, já que suas palavras dançaram em um ritmo perfeito.
Otima escolha de palavras, otima imagens, otima combinação.
OTIMO.

Parabens, de verdade mesmo.
Ganhou um novo seguidor! :)

Gustavo Ribeiro disse...

Parabéns, texto lindo!! Fodástico.

Rafael disse...

Lindo o texto... assim como tudo do Cinq contre un... sensação de roubar pouco da sua alma por aqui... Incrível! Parabêns!

Anônimo disse...

vou compartilhar com quem penso ter ideias e quem pensa não só com os olhos.


Fico amuado quando procuro em mim o que está fora.
Entendo que o que me falta pode até não ser o que preciso, mas me tira do peito o espaço que antes tinha e que me aperta sem ritmo
Saudade e vontade louca de pegar o telefone, te dizer nem que seja só um "oi, fala aí pra ouvir tua voz".
Não entendo o que é saudade.
Saudade me prende ao mesmo tempo que me expulsa e me coloca uma necessidade que não entendo, um pedido que nem me faço.

Existe em mim um vai e vem de espaço vazio, como bolhas de ar, do qual é preso por um inchaço que não entendo muito bem e que vai me tirando a concentração de tudo.

Só penso em você!

Isso me faz ter vontade de me afundar, de mergulhar, perder o ar, sair do ar, voar...

Anônimo disse...

vou compartilhar com quem penso ter ideias e quem pensa não só com os olhos.


Fico amuado quando procuro em mim o que está fora.
Entendo que o que me falta pode até não ser o que preciso, mas me tira do peito o espaço que antes tinha e que me aperta sem ritmo
Saudade e vontade louca de pegar o telefone, te dizer nem que seja só um "oi, fala aí pra ouvir tua voz".
Não entendo o que é saudade.
Saudade me prende ao mesmo tempo que me expulsa e me coloca uma necessidade que não entendo, um pedido que nem me faço.

Existe em mim um vai e vem de espaço vazio, como bolhas de ar, do qual é preso por um inchaço que não entendo muito bem e que vai me tirando a concentração de tudo.

Só penso em você!

Isso me faz ter vontade de me afundar, de mergulhar, perder o ar, sair do ar, voar...

Tay disse...

adorei o texto!
lindo mesmo
:*

magalhaes, jefferson disse...

pelo amor d Deus cara.! :O
lindo demais o texto, parabéns mesmo!
totalmente sem uma palavra, um adjetivo que se encaixe corretamente em toda essa belezinha! (y)

Dalton Talarico disse...

caraca, bixo! to fascinado *.*