5 de ago de 2009

Francine

Sabe pessoas? Pessoas bem humanas, que abraçam quando vê, que ficam feliz junto, que faz sexo na mesa de vidro do estúdio? É a Francine. Eu conheci na primeira festa da firma, eu bebi demais, a gente não sabia onde a gente morava, mas a gente sabia que morava perto. A gente se conheceu assim. É, foi bem assim.

Depois a gente fumou junto. Fumou cânceres de cigarros juntos na escada. Conversávamos e ríamos, falávamos e chorávamos. Fumávamos. Fumou junto a gente. De coração.

E antes a gente ia embora feliz no Terminal Bandeira, pegava o metrô no Anhangabaú e ia. Eu ficava na Bresser. Ela ficava na Artur Alvim. Mas a gente ia feliz no ônibus, cantando "no dia em que sai de casa, minha mãe me disse: filho, vem cá...'.

E a gente comprou roupas. MUITAS ROUPAS. Junto. Tudo junto.

Não posso esquecer que Francine foi a primeira pessoa do mundo corporativo que eu peguei. Se pegamo ali na escada debaixo. Nem fizemos sexo, porque a gente não bateu. KKKKK.

Essa semana a Francine vai sair da empresa.

Francine vai deixar saudade grande no meu coração. Espero trombar ela no metrô muitas vezes. Francinê, um beijo do magrelo aqui, que te ama, que nunca vai esquecer você.

Força na peruca :D

Um comentário:

Romulo Tondo disse...

Putz, porque não existe uma Francine destas aqui no RS! Não encontrei ainda, devo procurar no google ou no orkut?