31 de dez de 2007

Último suspiro

Dois mil e sete vai, deixando um ultimo suspiro de felicidade guardado em uma gaveta, trancado a sete chaves, pedindo por perdão e implorando para ficar. Não, ele tem que ir. O tempo não pára. Eu, sentado em uma sala também trancada, com um cheiro estonteante de uva graças a um vinho que explodiu misteriosamente ao lado de um quadro da Santa Ceia, crio um dilema na minha cabeça de vinte anos, querendo saber se choro ou rio, se agradeço ou viro o rosto.

Bom 2008.

Um comentário:

Mariana Guerra disse...

Final de ano dá uma nostalgia tremenda. Quando o ano é bom mesmo, que a gente sente ele bom, dá vontade de ficar com ele pra sempre.

Mas dessa vez eu deixei 2007 ir tão rápido(talvez por acreditar tanto em 2008).

Beijos, feliz 2008!