3 de dez de 2007

Comprei uma casinha...

... que não é de tijolo e nem de pedra. É de papel, mesmo, mas fica dentro de um vidro com flocos branco, a moça da loja disse que era a casa do Papai Noel. Levei para a minha casa, a outra, grande e com paredes sólidas, e coloquei em frente à minha televisão. Quando o aparelho, ainda ultrapassado, da época dos analógicos, liga, a casinha se ilumina com várias cores e os flocos falsos que imitam a neve criam uma ilusão de óptica legal nas paredes de meu quarto. Dentro da minha casinha moram algumas pessoas, as mesmas que possuem um lugar dentro do meu coração. Na minha cabeça infantilóide, enquanto eu mantê-las lá dentro, sempre que precisar, terei alguém para conversar. Pode parecer besteira, mas a criança ainda é forte e imagina em um animal de pelúcia o seu ex-melhor amigo. Agora ele trocou de prioridades na vida e largou o outro sozinho. Cada um seguiu um determinado caminho. A minha vida é feita disso, muitos caminhos. Escolhidos ou não, eles que me determinam.

Queria pedir desculpas à quem leu esse post, de uma criança que não sabe pontuar e nem se expressar abertamente. Digo mais, a criança ainda não aprendeu a dominar o que tem mais de seu. Por isso, está com medo, muito medo, de ver o ano passar. As pessoas da minha casinha podem querer me abandonar e daí sozinho no mundo irei ficar.

Ps. Adoro rimar!

Um comentário:

Aline disse...

Que fofo esse post!

Mas tenho que admitir que só tive saco pra ler porque li no título "comprei uma camisinha" e tava esperando que você contasse MAIS UMA das suas historias de sexo ao ar livre e tals.

beijo, docinho preferido da deusa (L)