26 de nov de 2007

Oh, mais bela dos seres...

Ah, como era cheiroso o cabelo daquela menina. Bela e modesta, passava e deixava o cheiro amadeirado de moça nova em algum pedaço. Chegou e causou furor para as semelhantes, trouxe emoção para os opostos e um desejo absurdo de, oras, desejo!

Ela sabia que todos a queriam, que todas queriam um pouco de seu mel. Ela sempre soube, só que preferiu esconder.

Um dia ela foi embora e todos perceberam sua ausência logo no amanhecer, quando o Sol não trouxe o odor típico da menina nova, mas sim o amargo e fedido adeus.

Por cada janela aberta naquela manhã, um sorriso faltava no rosto de cada ser humano.

Era culpa de uma menina, cheirosa e bela, mulher demais para qualquer outro homem, que cresceu e abandonou àquilo que era presa e fora forçada a achar certo.

Mulher demais para qualquer mundo.

3 comentários:

Mariana Guerra disse...

Ai, que

Mariana Guerra disse...

Hey, texto muito bonito, viu??

Uma levesa, mas no final é meio triste.
Mas é da melancolia que é feita as melhores histórias..
:)

Beijos

leninha ♥ disse...

Eu gosto muito do Caio escritor e da idéia que ele passa ser.

;*