10 de set de 2007

quatro letras

Depois de passar dias eternos mais sozinho do que sempre, parei para perguntar para alguém lá dentro o que era o amor. Estranho seria sair na rua indagando a todos, buscando a resposta e a definição mais concreta e exata do que é tal sentimento. Amor é... Não há como explicar. O que será que acontece no nosso corpo quando estamos amando? Quem será que é dono desse sentimento, o coração ou a cabeça? Por que será que amamos alguém? Olha que estranho, como a gente pode sentir algo se o nosso corpo inteiro funciona baseado em um líquido vermelho e alguns outros órgãos? Alguém já parou para pensar por que é tão bom beijar quem a gente ama? Estar ao lado e sentir o amor verdadeiro no ar? Mas como a gente pode sentir o amor se a gente nem sabe o que é amar? Aliás, como podemos dizer que amamos outra pessoa se não sabemos nem de onde esse sentimento vem e nem como ele é? Como pode existir milhões de maneiras de amar se ele é uma palavra só? Como amor pode ser definido em uma palavra? Amor de mãe, amor de homem, amor de filho, amor animal. São tantos amores que não dá pra explicar. Como podemos amar alguém? Como podemos deixar sermos amados? Como que é amar? Por que machuca? Por que faz falta? Por que é necessário? Por que clamamos por ele? Por que amor? A graça, talvez, seja essa. Ninguém sabe o que é amar, mas todos dizem que já amaram. Ninguém sabe amar, mas todos dizem eu te amo para alguém. Talvez, amor, na verdade, seja um adjetivo bonito que alguém criou para definir um estado do organismo que fica em êxtase quando vê alguém. Ou será que amor foi criado por alguma pessoa que vivia sozinha e queria alguém para lhe dar um beijo e dizer o quão importante ela era? Será que amor é para os fracos e os fortes não se deixam cair por esse sentimento? Ou será que amor é universal e sortudos são aqueles que o sentem? Amor é uma dádiva, uma qualidade, um nome ou um sentimento? A gente nasce sabendo amar ou aprendemos com a sociedade? Amor é uma regra ou é um impulso? Amor é fora da lei?

Amor é, pra mim, o melhor momento da vida. Quando a gente sonha acordado com alguém e quando o telefone só serve para transmitir a voz de tal pessoa. Amor é esperar ansiosamente por um olá na internet ou um sorriso sincero de gratidão quando você chega em qualquer lugar e vê a cara da pessoa amada. Amor é, sem nenhuma definição, aquilo que me faz chorar e sorrir, que me faz sentir especial e desprezado, que me transforma em criança de novo e coloca a minha cabeça para funcionar como um adulto bem vivido. Amor foi aquilo capaz de me transformar em outro alguém por tal sentimento. Amor é o brilho especial dos meus olhos que só uma pessoa consegue ler. Quando nada disso mais faz sentido, o amor foi embora do corpo. Então amor é uma doença, que não tem remédio e tão grave quanto qualquer outra, pega no ar e que some com o vento, quando alguém deixa de mostrar afeto. Amor é ... amor.

Nenhum comentário: