13 de jul de 2007

Giorgio Armani

Eu vou correr até algum shopping e comprar um terno Armani. Nossa, são lindos. Não importa se a fatura do cartão de crédito vai extourar, eu realmente preciso daquele terno. Foi quase que um aviso, eu olhei e pá! Senti que ele foi feito para mim. Na verdade, acho que o estilista estava pensando na minha pessoa quando desenhou aquele modelo. Incrível. Depois, ao entrar na loja, vi que só tinha uma peça disponível. Pasmei, era exatamente o meu tamanho. Já estou até imaginando eu saindo na rua com aquela peça, todo mundo iria olhar.

Ok, eu sei que a etiqueta é minuscula e todo mundo vai pensar que é um terno de uma grife qualquer. Não, impossível. Afinal, quem no mundo não sabe a diferença de um Armani para outro qualquer. Tipo, dã, é Armani, uma das grifes mais famosas do mundo. Claro que elas saberão. E daí, depois, todo mundo vai me conhecer como o menino que veste Armani. Já estou vendo a cena, eu chegando no trabalho e todas as meninas me olhando, comentando pelo Messenger sobre o meu terno Armani.

Tem como resistir? Corro e compro. Mas, lá no fundo, agora sinto que nem gostei muito do terno. Mas tudo bem, agora eu tenho um terno Armani, e todos vão me conhecer por isso.




Becky Bloom adaptada, logicamente.

Um comentário:

Bruh disse...

Danou-se: eu não faço amenor idéia. Nem Armani, nem Prada, nem D'ior...